Aquela Casinha Larissa Moura*

Aquela Casinha
Larissa Moura*

Numa cidadezinha arrodeada por serras ela se encontrava.
De frente pra praçinha, do lado da igreja e do comércio do compadre.
Uma bela árvore lhe fazia sombra na frente, e os velhos e
longos coqueiros – que serviam pra comadre fazer cocada nos fins de semana –
traziam a brisa pro terreiro, que acomodava o galinheiro e o bom e velho cão de guarda.
A casa do vovô nunca estava silenciosa.
Se não fosse os dois netos jogando play station,
brincando com as panelas ou correndo da mãe pra não tomar banho...
Era a televisão ligada na missa, o radio falando as notícias ou a falança dos visinhos
na janela que dava pra rua.
E o cheiro que exalava de manhãzinha cedo, da panela do cuscuz,
da vasilha de tapioca, do ovinho caipira que vovó preparava, todo santo dia,
enquanto todo mundo acordava. Os passarinhos cantando, e o gato já em posto,
esperando o franguinho cozinhado do almoço.
Que saudade eu sinto, daquela cidadezinha arrodeada de serras,
da casinha barulhenta e cheirosa, onde meus avós viveram,
onde meus pais cresceram, e onde eu aprendi a cultivar meus sonhos,
criar asas pra voar, mas sempre voltar, pra casinha daqueles que sempre,
sempre vão me amar.

*Estudante de jornalismo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PIADA