domingo, 18 de novembro de 2012


Contra mão

Tem nada não
Os anos passam
E os dias se vão
O sonho vivido
Vira ilusão
Mais a vida continua
Sem  ir na contramão
E o amor vira sonho
Ou desilusão
A paixão  em cinzas
O desejo some
Igual bola de sabão
Águas se dividem
E vão desaguar
Num ponto adiante
Mais ambas no mar
Marília Gil

Nenhum comentário:

Postar um comentário